PDA

View Full Version : Funcionamento do Diferencial Traseiro da BT


Pedro BT-50
15-12-2007, 17:30
Desculpem se isto n esta no sitio certo nas aki vai....
Kual o funcionamento do diferencial traseiro da BT ?
ja me disseram k era autoblocante a 80% ???
O k isto ker dizer.... e he verdade ?
gostaria de saber toda a informaçao possivel sobre o diferencial.
Esta pergunta esta mais virada para o TT...

Abraço

André Estevens
16-12-2007, 13:25
DIFERENCIAL AUTOBLOCANTE
O que é e o que faz?
Quando acontece o fenómeno descrito anteriormente durante o estacionamento na areia mole da praia, o diferencial autoblocante tem a faculdade de permitir que, quando uma roda entra em total perda de aderência, é transmitido movimento à roda contrária para que o eixo tenha capacidade de tracção e o veículo consiga sair do estado de imobilização.
Para isso, são utilizados uns discos metálicos junto aos planetários. Quando uma roda patina por falta de aderência, por efeito de centrifugação, os discos comprimem (provocando um efeito tipo embraiagem) transmitindo movimento de rotação à roda contrária para que o eixo do veículo consiga ter tracção para o fazer sair do estado de imobilização em que se encontra.
Serve para?
Evitar a perda de aderência do eixo de tracção de um veículo no caso de uma roda patinar por total falta de aderência.
Este tipo de diferencial é muito utilizado, por razões óbvias, por veículos todo o terreno ou veículos de passageiros de alta performance (desportivos).

André Estevens
16-12-2007, 13:26
DIFERENCIAL
O que é e o que faz?
A roda de coroa do diferencial recebe movimento da caixa de velocidades através do pinhão de ataque que lhe dá movimento. Se a trajectória do veículo for linear (a direito) os planetários recebem igual movimento que distribuem para as rodas esquerda e direita do eixo de tracção, assumindo velocidades iguais durante a impulsão do veículo para a frente.
Quando o veículo descreve uma trajectória curva, como a roda do lado de fora descreve um maior espaço, tem de andar mais depressa (maior velocidade) e a roda do lado interior da curva tem de acalmar o seu movimento (andar mais devagar) para que o eixo tenha equilíbrio e coordenação. Neste caso, os satélites absorvem o excesso de movimento que não pode ser absorvido pela roda interior da curva.
Assim, por via deste artifício tecnológico, o diferencial permite que haja total independência nas velocidades assumidas por cada uma das rodas do eixo de tracção do veículo.
Por sua vez, esta particularidade provoca, por vezes, um fenómeno desagradável – se, porventura uma roda patinar sem conseguir ganhar aderência no solo (caso do estacionamento em cima da areia mole na praia), como o diferencial permite total liberdade entre as rodas esquerda e direita, não será transmitido movimento à roda contrária, ficando o veículo totalmente imobilizado. Para evitar este tipo de condicionalismo (nomeadamente na utilização de veículos todo o terreno), utilizam-se diferenciais autoblocantes (ver explicação seguinte).
Serve para?
Quando um veículo descreve uma curva, a roda do eixo de tracção colocada no lado exterior percorre um espaço maior que a sua congénere do lado interior. Se o eixo de tracção fosse rígido, a roda exterior seria arrastada ou o eixo torcia durante as trajectórias curvas. Assim, o diferencial

André Estevens
16-12-2007, 13:28
O que é e o que faz?
É um dispositivo comandado por via remota (a partir do habitáculo) para inibir totalmente a faculdade do diferencial em permitir a liberdade de velocidades entre a roda esquerda e direita do eixo de tracção.
Quando este dispositivo é accionado, tranca o diferencial de modo a obrigar a que o eixo de tracção se comporte como um eixo rígido e, neste caso, as rodas esquerda e direita passam a ter velocidades exactamente iguais. Por via deste fenómeno, consegue-se que o eixo tenha uma extraordinária aderência adicional para poder fazer sair o veículo de um terreno com fraca aderência (lamaçal, etc…)
Quando se utiliza este dispositivo, temos que, obrigatoriamente, manter a direcção alinhada durante a saída do veículo, para que as rodas não descrevam uma trajectória curva – caso contrário, o eixo torce danificando irremediavelmente o diferencial pelo facto da roda de fora querer andar mais depressa e, ao não conseguir, obrigar o eixo a um esforço brutal de torção. Após a saída do veículo da situação de imobilização deve-se, de imediato desligar o bloqueio do diferencial para este voltar a deixar as rodas com liberdade de movimentos entre si.
Serve para?
Provocar uma excepcional capacidade de aderência em casos extremos de veículos que ficam completamente imobilizados sem condições para vencer o seu imobilismo (terrenos lamacentos, camiões em desaterros, etc…).

Pedro BT-50
16-12-2007, 15:55
Ola Andre
mt obrigado pela explicaçao
fikei mt mais esclarecido eu tinha umas noçoes mas mt poucas....
so me resta uma duvida..... :oops:
mas sobre o caso especifico da BT....
bloqueio a 80% :?:
ou seja...a roda k esta sem traçao n para totalmemte :?:
sera isto....

Abraço e obrigado

Karapao
16-12-2007, 20:19
Excelente explicação André Estevens! :shock:

Eu sempre me questionei de como funcionaria um diferencial, especialmente de como adopta velocidades de roda diferente em função das curvas. Agora mais fiquei esclarecido.

3pelos
16-12-2007, 23:07
Excelente explicação André Estevens! :shock:

Eu sempre me questionei de como funcionaria um diferencial, especialmente de como adopta velocidades de roda diferente em função das curvas. Agora mais fiquei esclarecido.
X2 :roll: :D

Marujo
17-12-2007, 21:57
Excelente explicação André Estevens! :shock:

Eu sempre me questionei de como funcionaria um diferencial, especialmente de como adopta velocidades de roda diferente em função das curvas. Agora mais fiquei esclarecido.
X2 :roll: :D

X3 (estou a tirar notas para dizer ao brother!)

Um abraço